sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Das revelações

E com o medo no coração, eu me debato em pensamentos, eu percorro caminhos de desejos, que só param na incerteza, de um talvez. Que  pode dar certo, que eu preciso tentar. E agora a emoção não controla mais a razão, ela já teve suas chances e desperdiçou. É hora de ir devagarinho, quase tateando no escuro, pra descobrir o melhor caminho. Pegar a estrada agora, seria enfrentar todo o medo, esbarrar em buracos que ja haviam sido remendados, que já estão quase tapados.

É preciso sofrer depois de ter sofrido, e amar, e mais amar, depois de ter amado.

Guimarães Rosa
E eu sei que a minha parcela de culpa é grande, por não ter vivido um grande amor. Bem sei quanta gente já deixei ir embora, já fechei a porta. Admito, e quero me redimir. Quem vier agora, ficará, breve ou eternamente, mas ficará, e eu vou viver, cada momento de felicidade, para dar chance de ver felicidade pela manhã.

Minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem de grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite.

Clarice Lispector

Hoje eu decidi ser transparente,  decidi me revelar e deixar o mundo me ver. Quero viver uma grande história. Estou precisando amar. Sexo é uma das melhores coisas que o homem já descobriu. Mas também estou com vontade de acordar com alguém que eu sinta paixão. O medo não quer me largar, ando adiando um encontro, mas sei que tudo tem seu tempo. Mas eu quero muito dançar esta dança! 

4 comentários:

.Intense. disse...

"Amor... Você já amou? Horrível, não? Você fica tão vulnerável. O peito se abre e o coração também. Desse jeito qualquer um pode entrar e bagunçar tudo. Você ergue todas essas defesas. Constrói essa armadura inteira, durante anos, pra que nada possa te causar mal. Aí, uma pessoa idiota, igualzinha a qualquer outra, entra em sua vida idiota. Você dá a essa pessoa um pedaço seu. E ela nem pediu. Um dia, ela faz alguma coisa idiota como beijar você ou sorrir e, de repente, sua vida não lhe pertence mais. O amor faz reféns. Ele entra em você. Devora tudo que é seu e te deixa chorando no escuro. Por isso, uma simples frase como 'talvez a gente devesse ser apenas amigos' ou 'muito perspicaz' vira estilhaços de vidro rasgando seu coração. Dói. Não só na imaginação ou na mente. É uma dor na alma, no corpo, uma verdadeira dor que entra-em-você-e-destroça-por-dentro. Nada devia ser assim. Principalmente amor. Odeio o amor."

(Neil Gaiman - Entes Queridos, em The Sandman 65)


Tava esperando seu blog abrir qdo li esse trecho lá no blog Costurando Estrelas...ainda hoje mais cedo conversei com um colega de trabalho - quem diria - que a única verdade que a gente leva da vida são as sensações. Os sentimentos, as lembranças, os momentos. As coisas materiais mudam, são trocadas, substituídas, abandonadas. Mas os amores, os amigos, os pais, as risadas, o bater do coração, nossas lágrimas...é tudo que a gente lembra. Depois, agora, não sei quando, mas é a única coisa que nos incentiva a andar 'pra frente': viver, se sentir bem, se sentir amado, querido, desejado.

Se abrir pro amor é abrir uma porta certa pra vários tombos. Mas, vale a pena viver sem ele?...

;)


Que o universo enxergue suas recém abertas portas. (que construção gramatical horrivel! hahaha)

=*

Candy disse...

Café do meu (L), se EU to conseguindo amar, pode ter ctza que vc tb consegue.
"Sérião", como diria dona intense.
;)

Motta disse...

Belas citações. Me fez lembrar de reler alguns escritores. Uma xícara de café, um cigarro e algumas letras ao papel, aqui vou eu.

edson marques disse...

Que bom que você gostou do meu poema Mude!
Porém, ao contrário do que você diz, não é de Clarice Lispector.
Assim como você, muita gente supõe erradamente que esse poema é de Clarice. Mas não é.
No meu blog publico todas as "provas" de que sou o autor:
1. Registro do poema Mude na Biblioteca Nacional em agosto de 2003.
2. Livro Mude, editado pela Pandabooks, com prefácio de Antonio Abujamra.
3. CD Filtro Solar, Pedro Bial, onde na faixa 4 o Mude foi publicado (contrato que fiz com a Sony Music)
4. Há milhares de publicações com a citação de autoria correta, em meu nome.
5. O chato é que o filho de Clarice Lispector VENDEU meu poema como se fosse da mamãe dele... rs! (Mas já ganhei estrondosa ação judicial por danos morais: veja www.desafiat.blogspot.com )

Enfim, o que o escritor mais gosta é disso mesmo: ver sua obra reconhecida -- mesmo que com autoria "transferida" para Clarice Lispector...

Abraços,